UTMB 2017 – Como foi!

sobre o utmb

Quem me conhece de perto sabe o quanto eu queria participar desta prova. Era um dos meus maiores sonhos. Para quem não é do mundo das corridas, vou explicar melhor. A Ultra Trail Du Mont Blanc (UTMB) é considerada a copa do mundo das corridas de montanha. Este ano reuniu toda a elite do Trail Running mundial e levou para Chamonix, na França, 8000 atletas de todo o mundo.

A UTMB é formada por 5 provas distintas, com largadas e percursos em 3 cidades diferentes. Passando pela Itália, Suíça e França. Para participar não basta apenas se inscrever. Primeiro você precisa fazer os pontos necessários para cada prova. Precisa correr alguma prova credenciada pela ITRA (International Trail Running Association – itra.run). Hoje no Brasil temos diversas provas que concedem pontos. No caso, a prova que eu participei, a OCC, eram necessários 4 pontos. E além dos pontos, você precisa ser sorteado. Eu não fui sorteada dois anos seguidos, e quando isso acontece, no terceiro ano, a sua vaga está garantida.

As provas do UTMB:

PTL (Petite Trotte à Léon) – 290km – 26500mts de altimetria. A prova mais longa do circuito é totalmente auto-suficiente e só pode ser feita em equipes de dois a três participantes. Largou na segunda às 9h em Chamonix e teve um tempo máximo para conclusão de 151h30min.

TDS – 119km – 7200mts de altimetria. Considerada uma das provas mais duras, teve sua largada na quarta as 6h, em Courmayeur na Itália e chegada em Chamonix. Tempo máximo para conclusão: 33h.

CCC – 101km – 6100mts de altimetria. Com largada também em Courmayeur na Itália, passou por Champex Lac na Suíça e chegou em Chamonix. Com tempo máximo para conclusão de 26h30.

OCC – 56km – 3500mts de altimetria. A filha caçula do UTMB, é a prova mais concorrida, pois tem apenas 1200 vagas e é a mais “acessível” para os mortais. Largamos na quinta em Orsières na Suíça e chegamos em Chamonix. Tempo máximo para conclusão: 14h30.

UTMB – 171km – 10000mts de altimetria. A grande estrela, a prova mãe de todas, a mais almejada pelos malucos do trail running. Com largada em Chamonix na sexta as 18h30, reuniu os maiores nomes do Trail, e foi castigada pela chuva e pela neve, que levou muitos bons atletas à desistência. Com chegada em Chamonix o tempo máximo para conclusão era de 46h30.

A minha prova (OCC):

Fazia tempo que eu não tinha frio na barriga com uma prova. Depois de três anos de espera finalmente eu estava ali. Confesso que quando cheguei em Chamonix na segunda-feira e vi pela primeira vez o pórtico de chegada, não contive a emoção. Chorei de felicidade de poder estar ali vivendo aquele momento. A grandiosidade do evento é inexplicável. Só quem já esteve lá consegue entender. Chamonix respira a prova, por onde você anda você vê algum detalhe da prova. E a organização é um elemento à parte. É um evento único e vale cada centavo investido.

Deixei tudo pronto no hotel, roupas e comidinhas e a noite antes de jantar fui assistir às chegadas do TDS. Jantei uma massa simples e tentei ir dormir cedo, mas a ansiedade não deixou, principalmente porque eu estava com bastante medo de perder a hora. Celular tocou as 4 da madruga e as 5h eu já estava na fila do ônibus rumo à Suíça onde seria a largada.

O tempo não estava dos mais favoráveis e a previsão era de chuva. Quando chegamos em Orsières não chovia. Deixamos nossas coisas no guarda volumes e seguimos pra largada. Faltando alguns minutos para a largada a chuva começou e não parou mais.

Largamos, e pelas ruas da cidade mesmo debaixo de muita chuva, muitas pessoas estavam lá com seus sininhos aplaudindo e dando força. Muitas crianças e muitos senhores tocando instrumentos debaixo de chuva. Jamais esquecerei a magia daquele lugar.

Assim que saímos da cidade já começava a primeira subida. E logo ali já percebi que o Trekking Pole faria falta. A maioria dos corredores usavam. E nas subidas com aquela inclinação fazia toda diferença. Eu não gosto de usar normalmente, mas estou começando a repensar para provas mais técnicas. Nas descidas eu tentava recuperar o tempo perdido nas subidas. Como as trilhas eram bem abertas consegui desenvolver bem em todas as descidas mesmo com chuva. E a chuva castigou, em alguns momentos o frio e o vento judiaram também. Nos PCs uma infinidade de comida, desta vez não fiz pausas longas, era o tempo de abastecer a mochila comer algo e sair.

Correr pelos Alpes é mágico, parece que você está em um filme antigo, com as vaquinhas tilintando os sinos, aquele visual de tirar o fôlego. Mesmo a chuva, não tirou a magia de correr a prova que eu mais queria na vida. Aproveitei cada segundo de cada momento, me senti bem, com a cabeça forte a prova inteira. Mas o momento mais incrível foi nos últimos 8kms. Eram 8kms de uma decida deliciosa de correr. E eu pensava, quanto mais rápido eu correr mais rápido eu vou chegar. E desci como nunca desci antes. Ultrapassei muita gente, 60 pessoas para ser mais exata hahahah…

E finalmente cheguei em Chamonix… as ruas lotadas de gente te aplaudindo e te incentivando e logo depois estava ele, o tão sonhado pórtico. Bandeira do Brasil na mão, encontrei a Isabela esposa do Danilo que fez um vídeo lindo e cruzou comigo a linha de chegada. Que momento! Três anos esperando por esse dia!

melhor colocada brasileira na prova

9h46min, 84º lugar geral feminino e 1ª Brasileira na prova. Foi muito melhor do que eu esperava. Foi maravilhooooso!

Gostaria de agradecer todo mundo que torceu, vibrou e acompanhou. Cada boa sorte e cada parabéns ficou guardado no coração. Família, amigos, alunos, muito obrigada por sempre acreditar e me apoiar vocês são fundamentais na minha vida.

Danilo mesmo voltando de lesão conseguiu completar bem e fechou em 10h30min. Parabéns!!!

Uma certeza: eu volto! Hahahah

E que venham as próximas!!

Deixe seu comentário