Travessia da Serra Fina – 3 dias

Dia 3 – Da Base da Pico dos Três Estados ao fim

Saiba como foi o Dia 1, clicando aqui!
Saiba como foi o Dia 2, clicando aqui!

Depois de uma noite um pouco melhor acampando no bambuzal na base do Pico dos Três Estados, com a temperatura de 6 graus e não 0, acordamos até que bem.

Foi mais fácil colocar a roupa, tomar café, fazer a mochila e levantar acampamento. O que não foi fácil, foi controlar o tempo todo a água.

Saímos às 6h e partimos pra subir o Pico dos Três Estados, capinzal continuou ainda por muito tempo, era uma subida íngrime com muita lama!

montanhago pro serra finaserra finaserra fina

montanhistas

Pico dos Três Estados

Chegamos no cume, tiramos fotos e partimos. Dali pra frente era em maior parte só descida, rumo ao fim, rumo à estrada.

Pico dos Três estados

Pico do Três Estados

Menina montanha

Pico dos Três Estados

Galera montanha

Pico dos Três Estados

Encontramos uns “sherpas” da Serra Fina, com malas gigantescas, junto com dogs lindos. Merecem nosso respeito, carregam muito peso e andam absurdamente rápido.

“Sherpa” da Serra Fina

“Sherpa” da Serra Fina

montanhas

Leandro disparou na frente, queria chegar logo pra ver se pegava uma carona na van de clientes que estavam na nossa frente. Pegando a carona até o hostel, ele pegava o carro estacionado no hostel e daria carona pra galera do nosso grupo que viria atrás.

serra fina

A descida

Leandro disparou, Marcelo disparou e Blanco disparou. Quer saber? Também vou disparar, porque tudo na vida que eu precisava, era dar uma acelerada, relembrar os velhos tempos de corrida e me sentir mais livre. Foi o que fiz, parti junto com o Leandro, e em certo ponto fomos nós 4 juntos descendo.

velhinho montanha

A descida dos 3 Estados é bem técnica e íngrime, não consigo nem imaginar como seria aquilo na chuva. Momento ótimo pra treinar e ver se os joelhos estão bons mesmo.

Enfim, desce muito né, vai descendo, alguns morros pra passar, mas essencialmente só descida. Sempre controlando a água que não podia acabar.

Chegamos no último ponto de água, no Sítio do Pierre. A sensação de poder beber água a goladas é maravilhosa, bebi tudo que não pude beber em 2 dias! Maravilhoso.

go pro estrada

E a descida continua, tipo interminável. Novamente, não chegava nunca!

Cão

Nosso companheiro na maior parte da descida

final travessia

Fim!

Mas, terminamos! Terminamos juntos eu, Leandro, Marcelo e Blanco. No final, 2 kms antes da Estrada tinha uma casinha onde vendia refri e coisinhas pra comer e mandamos uma Coca pra dentro. Pra falar a verdade, até deu uma tristezinha que a gente não ia ficar mais um dia!!

Serra Fina

Chegada onde tomamos a Coca

Serra Fina

Alguém cansado?

No fim, esse moço que vendeu a Coca ia sair de carro e acabou dando carona pra galera até o hostel, Flávia e Marcos já tinham chegado e Rafa veio logo depois. O Felipe do Hostel Picus também veio ajudar e levou outra parte da galera, incluindo eu. Blanco chegando no hostel pegou o carro, voltou e buscou Stephanie, Vander e Antônio.

Tomamos o tão esperado banho, após três dias sem ele e comemos aquela comida maravilhosa que Tata preparou pra gente! Aliás, Tata e Felipe são muito queridos. Eu não vejo ir pra lá e não ficar no Hostel deles. Muito obrigada!

Hostel Picus

Hostel Picus. Tata e Felipe muitooo obrigada!

Agradecer toda a galera! Foi incrível fazer a travessia com vocês!!! Agradecer minhas companheiras de barraca, Stephanie e Flavia, companheiras também de compras na decathlon, vishhhh… Agradecer muito o Leandro e Marcelo que estavam guiando a gente e tomaram a frente nas decisões sobre o percurso, acampamento e logística na trilha. O Antônio que também estava com GPS, ligado em tudo pra ninguém se perder, Velhinho que também já conhecia o percurso e estava sempre por perto! Valeu pela companhia galera!

homem montanhahostel picus

Cachoeira do Segredo e Mirante da Janela, Chapada dos Veadeiros – Dia 2

Nosso segundo dia de Trekking pela Chapada dos Veadeiros foi o mais intenso.

Isadora e Sassa começando o 2º dia de Trekking

cachoeira do segredo

Acordamos cedinho e fomos direto para a Cachoeira do Segredo. Se você está indo com a intenção de conhecer muitos lugares e não pegar as trilhas muito lotadas recomendamos que você saia bem cedo. E nisso o nosso guia acertou em todas. De Alto Paraíso até São Jorge são 38km, e de São até a entrada para a Cachoeira são 13km. A placa indicando a entrada fica à esquerda.

Pegada de Jaguatirica

Mina d’água no meio da trilha

A entrada para a trilha custa 25,00. Chegamos na entrada às 8h, pagamos e seguimos de carro por mais 1km (se vc estiver com um carro 4×4 da pra seguir até um pouco mais adiante – passa por vários riozinhos, mas se o carro for baixo não é aconselhável passar).

A partir daí são 4km de trilha bem tranquila, passando por rios de água cristalina e um visual incrível.

E quando a gente chega na Cachoeira: UAU! Que lugar!! A Cachoeira do Segredo possui 115 metros de altura e é possível nadar até em baixo da queda. A água é bem gelada, mas no cantinho direito da queda cai uma água quentinha, onde é possível se sentar e curtir muito esse lugar especial. Mas só nade até lá se estiver com o condicionamento em dia, a correnteza da Cachoeira dificulta um pouco a chegada, mas super tranquilo pra quem está fisicamente ativo. A água é muito gelada pois nessa época do ano não bate sol. Entre setembro e março o sol ilumina e deixa a Cachoeira do Segredo mais linda ainda.

Quando chegamos na Cachoeira tinham apenas duas pessoas. Quando estávamos indo embora, praticamente lotou. Então se você quer curtir o lugar com mais tranquilidade saia cedo.

Ache a Isa na foto

Saímos da trilha por volta das 12h e fomos almoçar na Vila de São Jorge. Lugar super fofo e bem menor que Alto Paraíso, mas que tem um charme especial.

mirante da janela

Almoçamos e seguimos para a trilha que dava acesso ao Mirante da Janela. É bem fácil de chegar saindo de São Jorge, aproximadamente 1km, até a entrada. O ingresso para a trilha custa 15,00. Optamos por fazer ela à tarde pois queríamos curtir o por do sol lá do topo, e de quebra ver a lua que estaria cheia bem naquele dia.

A trilha do Mirante da Janela ao meu ver foi a mais difícil de todas que fizemos na chapada. Tem bastante subida e descida em terreno bem técnico. São 3km para ir, mais 3km para voltar. Para quem já está acostumado com trilhas é bem tranquilo. Para quem está sedentário nessa terá uma dificuldade maior.

O sobe e desce da trilha!

Quando chega no topo, lá no Mirante da Janela, você tem um dos visuais mais lindos e incríveis da Chapada dos Veadeiros. À direita, avistamos os Saltos do Rio Preto, que ficam dentro do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros e à esquerda você é presenteado com um por do sol maravilhoso.

Ficamos lá bastante tempo, curtindo o por do sol, tirando mil fotos e esperando a bela Lua cheia. Mas o tempo ficou um pouco nublado e não conseguimos vê-la nascer. Mas no caminho de volta fomos recompensados com ela linda e gigante iluminando nossa trilha. Quando a trilha ficou mais aberta, desligamos nossas lanternas e seguimos até o fim somente com à luz da lua. Simplesmente incrível!!

Time!

A lua iluminando nosso trekking noturno

Nesta trilha também tem a Cachoeira do Abismo, mas como já estava em tempo de seca, ela estava quase sem água.

Se eu puder te dar uma dica é: quando for à Chapada dos Veadeiros coloque esses dois passeios como prioridade. São realmente únicos.

Sassa e a foto clássica do Mirante

veja também:

Dia 1 – Catarata dos Couros
Dia 3 – Cachoeira Santa Bárbara
Dia 4 – Vale da Lua e Loquinhas