CHAPADA DOS VEADEIROS – SUGESTÃO DE ROTEIRO (4 DIAS)

Preparativos

Chapada dos Veadeiros já era um destino muito desejado por nós do Te Levo Pra Trilha, combinamos para o feriado do dia do trabalho em Maio. A Isa falou com uma amiga que já tinha ido e que topou ir de novo. Pronto equipe formada: Eu (Sassa), Isa, Gabriel (marido), Fernando (amigo), Letícia (amiga) e Matheus (irmão da Letícia).

Entramos em contato com o River, guia de Alto Paraíso, indicado pela Le e fechamos com ele um pacote de 3 dias só com nosso grupo. Sempre que podemos contratamos guias locais, enriquece imensamente os passeios  e movimenta a economia local.

Todo mundo chegou antes de mim, cheguei sexta à noite, galera já estava com o carro alugado, um Spin pra caber todo mundo. Fomos direto pra Alto Paraíso onde tínhamos alugado uma casa pelo Airbnb.

Tem muita coisa linda nesse lugar e obviamente 4 dias é muito pouco. Mas, acredito que esses passeios são os principais e os mais procurados, espero que possa ajudar. E voltaremos pra lá, com certeza, a Chapada dos Veadeiros me surpreendeu.

NOSSO ROTEIRO

Dia 1 – Catarata dos Couros 

Encontramos com o River cedinho e partimos, sentido Brasília, pra 20kms em asfalto mais 30kms em estrada de terra. Saia bem cedo e pegue uma cachoeira bem vazia!

Passeio imperdível!! Fizemos com ele o sentido contrário do comum, começando por baixo pela vista da Cachoeira do Butijão e depois subindo para mergulhar nas quedas. As quedas são simplesmente maravilhosas.

para ler post completo das cachoeiras dos couros – clique aqui

Dia 2 – Cachoeira do Segredo e Mirante da Janela

Esse dia foi intenso, fizemos duas trilhas bem compridas. Mesma coisa, saia cedo e aproveite a cachoeira vazia. Pra mim, essa Cachoeira é muito impressionante. Tem uma natureza avassaladora, paredão de rocha ao redor deixa o visual espetacular. Fora que a queda é enorme, tem 115m de altura, muito funda. Por isso, recomendamos levar macarrão ou colete salva vidas em caso de emergência, os guias sempre levam. Tem um fio de água quente na queda, olhando pra ela, do lado direito.

Saindo de lá, fomos pro Mirante da Janela pra pegar o pôr do sol. Que coisa alucinante esse lugar. Pôr do Sol imperdível. Não esqueça a lanterna pra volta.

para ler post completo da cachoeira do segredo e mirante da janela – clique aqui

Cachoeira do Segredo

Dia 3 – Cachoeira Santa Bárbara

A dica principal pra esse passeio: Não deixe de ler o post completo.

São muitas pessoas que ficam sem senha quando chegam lá, e ela não é perto, são mais de 120 kms de Alto Paraíso. Além de chegar as 5h30 pra pegar senha, fomos entrar na Cachoeira por volta das 11h30. Ou seja, é muita vontade!

De fato, o lugar é disputado, porque a cor da piscina que forma é um tom de azul turquesa de impressionar, de cair o queixo de qualquer pessoa. O horário que conseguimos entrar também ajudou, pois o sol estava bem em cima da cachoeira, o que favorece essa cor impressionante.

Se eu pegaria essa fila novamente? Não! Só se fosse pra levar alguém que nunca foi, pois foi perrengue, muito perrengue também pro guia que fica lá agilizando tudo. É obrigatório entrar com guia.

para ver post completo da cachoeira santa bárbara – clique aqui

Dia 4 – Vale da Lua e Loquinhas

Nosso último dia, tínhamos pouco tempo, à noite tínhamos que pegar o voo. Fomos sem guia para esse passeio por não haver nenhuma necessidade.

A Le já tinha falado que o Vale da Lua era legal conhecer, mas que também não era super surpreendente. E Loquinhas recomendaram pra gente por ser bonito e rápido.

Fomos pro Vale da Lua primeiro, chegamos bem cedinho e aproveitamos pra tirar várias fotos. Depois fomos para Loquinhas, chegando um pouco mais tarde, já tinham várias pessoas nos poços. Conseguimos achar um sem ninguém e tomar um banho de despedida.

Realmente são dois passeios que não considero imperdíveis. Talvez, porque fomos pra lugares tão surpreendentes antes que esses ficaram um pouco ofuscados. Mas, foi bom, porque não tínhamos tempo pra ir pra outro lugar.

para ler o post completo do vale da lua e loquinhas – clique aqui

Vale da Lua

Vale da Lua

Achamos 1 poço vazio

Esse estava cheio!

Dicas gerais

Como chegar: Avião até Brasília e de lá partir de carro ou ônibus até a cidade de hospedagem que pode ser São Jorge (265kms) ou Alto Paraíso (240kms)

Onde ficar: Ficamos em Alto Paraíso que é mais barato, mas confesso que gostei mais de São Jorge, porém achei tudo mais caro lá. Alugamos uma casa no Airbnb, não é legal ficar muito longe da única rua principal.

Guiamento: Se podemos, pagamos um guia. Isso ajuda o turismo local, movimenta a economia e enriquece culturalmente sua viagem. Fechamos um pacote para três dias pra todo nosso grupo. O River foi espetacular, recomendamos!

River – 62 9678-3206

Alugar um carro ou não?: Passeios são mais de 50% mais baratos se você levar o guia com o seu carro. Pra gente valeu a pena porque estávamos num grupo grande. Se tiver por ex em duas pessoas, de repente compensa ir de ônibus e procurar pessoas que estejam de carro procurando gente pra dividir o valor do guia.

**Para saber detalhes de cada passeio como preços, distâncias, particularidades das trilhas, clique nos posts completos de cada dia:

Catarata dos Couros – Dia 1
Cachoeira do Segredo e Mirante da Janela – Dia 2
Cachoeira Santa Bárbara – Dia 3
Vale da Lua e Loquinhas – Dia 4

 

Cachoeira Santa Bárbara, Chapada dos Veadeiros – Dia 3

Um dia antes fizemos dois passeios: Cachoeira do Segredo e Mirante da Janela (clique aqui). O River, nosso guia, deixou bem claro que deveríamos nos encontrar às 5h da manhã, sem atrasos, para chegar na Cachoeira Santa Bárbara a tempo de conseguir senha. Motivo: são 300 pessoas a entrada máxima permitida, uma corrida contra o tempo no feriado.

Essa Cachoeira é uma das mais procuradas pela sua cor azul cristalina, ela se localiza na cidade de Cavalcante na comunidade quilombola  Kalunga, que  fica a 90kms de São Jorge ou a 122kms de Alto Paraíso. A comunidade administra toda a visitação da Cachoeira.

cachoeira santa bárbara vista do drone

Essa lotação vem de pouco tempo, portanto se você for em outros blogs com relatos anteriores a 2017 vai ver que era tranquilo entrar na cachoeira sem se preocupar tento com o horário.

A esperA

Bom, como o nosso guia foi enfático em relação a isso, dessa vez não nos atrasamos como nos outros dias. Chegamos lá e já tinha uma fila imensa, pegamos a senha 148, em questão de 30 ou 40 minutos as senhas acabaram. Na fila, muita discussão, muitos guias levando grupos que não conseguiram entrar, muito grupo bravo com o guia, gente brigando porque guias seguram vagas dos clientes que ainda não chegaram, ou seja, um fusuê, mas conseguimos!! Enquanto o River ficou na fila, fomos tomar café da manhã ali na comunidade que o River já tinha feito a reserva.

Aí quando você acha que está tudo maravilhoso, que vamos logo entrar na Cachoeira….pura ilusão! Você vai pra outro lugar, estaciona o carro e fica na fila pra entrar na estrada que vai pra cachoeira. Não sei exatamente quantos grupos são permitidos ao mesmo temo dentro da Santa Bárbara, só sei que só entrava um grupo quando saía o outro. Cada grupo pode ficar durante 1 hora, no máximo, lá dentro. Nossa vez chegou às 11h. Cansativo, tem que ser muito bonita mesmo!!

eNFIM, cACHOEIRA sANTA bÁRBARA

Entramos com o carro alugado, um Spin, deu tudo certo, porque o River conhecia cada buraco e cada poça de lama, sabia exatamente por onde passar. Mas, se você tiver dúvidas se seu carro vai passar na buraqueira e na lama ou não quiser colocar seu carro nessa situação é só contratar o pau de arara que os quilombolas oferecem.

Entramos e pegamos a estrada bem ruim, estacionamos e andamos por a pé por uns 2 kms num trilha bem tranquila.

pessoas na trilha pessoas na trilhaChegando lá uma maravilha, a Cachoeira realmente é muito bonita, com uma cor impressionante. E o mais legal, no horário que entramos o sol estava bem lá em cima, o que deixa a cachoeira muito mais azul e cristalina. Esperamos muito, mas foi recompensador.Aproveitamos muito, porque só tínhamos uma hora. Então, passamos todo o tempo na água. Foi uma delícia. Valeu a pena! Mas, não sei se eu iria de novo, é um lugar obrigatório de se visitar, mas não sei se ficaria nessa fila novamente.Mais em baixo pode-se entrar nessa queda menor, mas em feriado, fica fechada pra preservação!Almoçamos na comunidade, o almoço estava uma delícia, muito farta, muita coisa boa. Com direito à rede, excelente!!na rede

dicas e informações

-Chegar, no máximo, às 6h para ficar na fila da senha. Com a crescente procura, da próxima iria até mais cedo. Começaram a distribuir as senhas às 7h e entramos às 11h.

-R$ 20,00 a entrada da Cachoeira Santa Bárbara e R$ 10,00 para outras Cachoeiras. Uma das integrantes do grupo que já tinha ido, falou que não valia muito a pena ir nas outras, a não ser que você não consiga entrar pra Santa Bárbara.

-Local: Cavalcante, comunidade quilombola Kalunga: quilombokalunga.org.br

-Obrigatório a contratação de um guia. O nosso era de São Jorge, mas você pode contratar um guia local. O ideal é combinar tudo antes se você for num feriado.

-Café da manhã à vontade: R$ 10,00

-Almoço à vontade: R$ 30,00

– Se quiser contratar o pau de arara, sai por R$20,00

-Abasteça o carro antes, não tem posto de gasolina lá.

Cachoeira dos Couros, Chapada dos Veadeiros – Dia 1
Cachoeira do Segredo e Mirante da Janela, Chapada dos Veadeiros – Dia 2