Escalavrado – Teresópolis, RJ

No sábado (29/07), foi a vez de subir o Escalavrado no Parque Nacional da Serra dos Orgãos com a Pitbull Aventura e Segue o Velhinho. Acompanho sempre os eventos deles no Facebook, mas o Escalavrado, me chamou muita atenção, principalmente por ser um lugar com escalaminhada, parecia bem difícil e se jogar no Google, vai encontrar fotos alucinantes.

Chegamos em Teresópolis bem cedo, tomamos um café da manhã no posto BR Garrafão e encontrei com todos do grupo. O grupo era: Eu, Leo da Pitbull, Marcos Segue o Velhinho, Deborah, Kelly, Vander e Lango Lango. Continuamos pela estrada até o local onde deixamos o carro estacionado (centrinho comercial na beira da estrada no km38). Para chegar na entrada da trilha é preciso voltar na estrada a pé aproximadamente 2kms, até o ponto de entrada, não tem placa. A placa fica um pouco mais pra dentro do início da trilha.

Entrada da trilha.

O início da trilha é bem íngreme e técnico, uma escalaminhada em pedra. Diria que é uma das partes que requer mais atenção, tem grampos pra colocar corda e escalar, não é necessário desde que as pessoas já tenham uma certa experiência.

Nessa trilha parte nenhuma é plana, tudo subida em pedra. Se você não tem experiência com escalada ou em trilhas com escalaminhadas, não vá sem guia e equipamento, não vale a pena correr certos riscos.

Foto: Segue o Velhinho

Em um certo ponto, chegamos na parte mais difícil da trilha, uma subida em pedra, bem inclinada e alta. Velhinho subiu com a corda até o fim da pedra para fazer a segurança, o Vander ficou no meio pra ajudar a galera e o Leo em baixo colocando a corda em todos e orientando a escalada. O Leo deixou bem claro que não era nada muito difícil e que a corda nos daria maior segurança e confiança pra subir. Pronto chegou o meu momento, meu comigo mesma.

Foto: Segue o Velhinho

Só um parenteses: (Pra quem ainda se lembra, tive um mini pânico de altura na travessia Petrópolis – Teresópolis, na parte do “cavalinho”. Isso me deixou frustrada. Logo eu, Samantha, que já pulei de pára quedas, que não tenho medo dessas coisas e que nunca tive medo de altura, descobri que tinha medo de escalar, sim era só na subida, na descida não tenho medo por mais alto que seja. Confirmei isso no Conjunto Marumbi, nas subidas mais altas  minha perna tremia. Logo eu, logo eu que nunca tive medo de aventura nenhuma. Isso pra mim era inadmissível, essa não era eu, eu Samantha não posso ter medo de altura. Ví no Escalavrado uma oportunidade única pra vencer isso, de uma vez. E venci!).

Foto: Segue o Velhinho

Continuando: Pedi pra ser a última, a subir. Queria ver todo mundo subindo, ver por onde iriam, e o nível de dificuldade da parede, além de poder ficar um tempo lá em baixo tomando coragem.  Perguntei ao Leo se eu podia tentar ir sem corda, porque na minha visão conseguiria escalar sem problemas e se ele podia ir comigo me orientando. E se o medo viesse e minhas pernas tremessem eu poderia colocar a corda. Com a aprovação dele, eu fui sem a corda, ele foi me orientando e ao mesmo tempo me dando liberdade para escolher o melhor caminho. Por incrível que pareça meu medo se tornou insignificante, usei todas as minhas forças pra me concentrar e fazer o que tinha que fazer, subir direito. E eu consegui, nada de tremedeira!

Foto: Segue o Velhinho

Ninguém ali sabe como eu me senti ou como isso foi importante pra mim. Eu consegui dominar meu medo e provar pra mim mesma que eu continuava a mesma de anos atrás, foi um alívio. E eu esperei ansiosamente por isso, sei lá, era uma questão de honra. O medo é muito importante e precisamos saber usar ele a nosso favor e nessa trilha acho que evoluí nesse sentido.

Depois de subir loucamente chegamos na crista da montanha . Infelizmente ou não, o tempo estava bem encoberto, não pudemos ver o abismos ao lado da crista por onde  caminhávamos. Se por um lado, não conseguíamos ter uma vista linda, por outro não ficamos com medo de altura.

Foto: Segue o Velhinho


Na crista!

Passamos pela Barriga da Baleia e continuamos até o topo. Chegamos em 2 horas, acho que fomos num ritmo bem legal. Com bastante calma, cuidado, tirando fotos e nos divertindo. O percurso até o topo tem 2.5 kms com 500m de altimetria, acumulada, isso significa que a trilha tem uma inclinação bem considerável, de deixar panturrilhas e pernas bem doloridas.

Do Escalavrado conseguimos ver outros Picos como o Dedo de Deus!

Um pouco de garoa no topo, tempo fechado. Fizemos um lanche, cantamos parabém pra Kelly que disse ter tido o melhor hiking de aniversário da vida dela!! E descemos, devagarzinho, com muita paciência e calma, de bumbum, não tem erro. Nosso medo era de chuva, porque as pedras virariam um sabão, mas pra nossa sorte, só foi a garoa no cume mesmo.

Agradeço imensamente a companhia de todos e ao Velhinho, Leo e Vander pela ajuda na trilha. Muito bom fazer trilhas com vocês, muita diversão, muita calma e paciência. Isso faz toda a diferença! Valeu! Velhinho também mandando muito nas fotos!

Dicas:

-Não suba com chuva. A trilha é cheia de abismos, paredões, pedras.

-Se você não tem experiência em subir em pedras ou com escalada, contrate um guia com equipamento;

-Protetor solar, boné, viseira, água. A trilha é exposta a maior parte, o sol castiga.

-No Face da Pitbull você consegue ver as próximas trilhas que eles organizam: https://www.facebook.com/pitbullaventura/

-Entrar no site do Parque (PARNASO) para pagamento e preenchimento do termo. Leve o termo junto com você. http://www.parnaso.tur.br/

#TeLevoPraTrilha

Deixe seu comentário